O Comércio em Boa Saúde

Boa Saúde na década de 1920 contava com umas poucas casas de comércio, incluindo uma padaria pertencente ao Senhor José Rodrigues de Carvalho, que depois passou a residir em Santa Cruz
No início da década de 1930, existia uma concorrida feira e, a partir daí, o desenvolvimento da cultura do algodão e a sua comercialização assumiu tamanha importância que o povoado chegou a ter duas descaroçadeiras (unidades de beneficiamento do produto) e vários estabelecimentos comerciais. Os moradores mais antigos de Boa Saúde lembram que os principais comerciantes daquela época eram: José Fernandes, Faustino Ferreira, Antônio Constantino, Alfredo Jorge, João Jorge, José Heronides da Câmara, José Calazans Ribeiro, Otto Hackradt.

Na década de 1940, Boa Saúde contava com os seguintes comerciantes: Luiz Filgueira, Severino Dias de Paiva (Bidu), Lídio José da Costa (Lídio Jorge), João Vicente, Manoel Teixeira de Souza (Nezinho), Sebastião Cleodon de Medeiros e Joaquim Cleodon de Medeiros.

O comércio de gasolina teve início em 1945, por iniciativa do comerciante Sebastião Cleodon, que mantinha, sempre, uma reserva de duas ou três latas de 20 litros do produto, para atender eventualidades de falta de combustível nos poucos veículos que transitavam por Boa Saúde. Com o aumento da procura, o estoque passou para dois ou três tambores de 200 litros e a venda de gasolina neste sistema durou 36 anos. Em 1981, foi implantado o primeiro posto de gasolina em Boa Saúde, pelo Senhor MárioCordeiro de Oliveira, até hoje existente e de sua propriedade.

Nas décadas de 1950 e de 1960, Boa Saúde contava com uma farmácia, pertencente ao Senhor Otacílio Barbosa da Silva, três lojas de tecidos, de propriedade dos senhores: Severino Dias de Paiva (Bidu), Luiz Filgueira e Lídio José da Costa (Lídio Jorge) e outros estabelecimentos comerciais, pertencentes aos senhores: Sebastião Cleodon de Medeiros, Joaquim Cleodon de Medeiros, Severino Boia, José Vicente, Antônio Matias da Silva, Vidal Matias da Silva, Antônio Patrício, Antônio Félix Neto (Domício), Francisco Dias Vieira (Chico de Penina), Manoel Honorato, Fausto José da Costa, Agenor Ferreira Xavier.

Dos estabelecimentos comerciais mais antigos, permanecem apenas três: o que pertenceu ao Senhor Sebastião Cleodon de Medeiros, que continua com a Senhora Josefa Nunes de Medeiros; o que pertenceu ao Senhor Francisco Dias Vieira, que continua com a Senhora Penina Dias Vieira e o que pertenceu ao Senhor Lídio José da Costa, que continua com Alfredo José da Costa.
De acordo com os dados do IBGE sobre o comércio varejista em Boa Saúde, no ano de 1970 existiam 24 casas de comércio. Dez anos depois, passou a existir 84 e, a partir daí, tem aumentado significativamente o número de estabelecimentos comerciais no município”.
Páginas 59 e 60

O texto foi extraído do livro Boa Saúde: Origem e história escrito por José Alai e Maria de Deus. Algumas imagens são dos blogs que José Alai mantinha. O objetivo dessa postagem é tão somente conservar nossa história.

Postar um comentário

 
Top