Festa da Padroeira em Boa Saúde

Boa Saúde vive sob a proteção de Nossa Senhora da Saúde, sua padroeira, cuja devoção, conforme já analisado, vem desde o inicio do povoado, que recebeu o nome de Boa Saúde em sua homenagem. A Festa de 02 de Fevereiro, como é conhecida, é um dos maiores acontecimentos sócio-religiosos da Região do Trairi. Dela participa gente da capital, dos municípios mais próximos e de lugares distantes, inclusive de outros Estados do Nordeste, principalmente filhos da terra ou pessoas que já residiram em Boa Saúde. É uma ocasião de reencontro de parentes e amigos.

Procissão do dia 2 de fevereiro
Durante todo o ano, as pessoas visitam a capela de Nossa Senhora da Saúde e pagam promessas. Mas é durante os dias 01 e 02 de fevereiro que milhares de devotos acorrem à cidade para participar da festa da padroeira, agradecendo graças alcançadas e pagando promessas, como: acender velas, conduzir o andor, acompanhar a procissão descalço, carregando pedra na cabeça ou vestindo trajes religiosos.

Procissão do dia 2 de fevereiro
No passado, no período da referida festa, as ruas eram enfeitadas com bandeirinhas coloridas de papel de seda. Além das celebrações religiosas, que constavam de novenas, missa e procissão, faziam-se barraca e leilão dos donativos recebidos, em benefício da igreja. Fazia parte da tradição, a queima de “fogos de vista” e “fogos do ar” (conhecidos atualmente como fogos de artifício e foguetões), que eram fabricados em São José de Mipibu, pelos fogueteiros Tota e Joca Davino, na década de 1940. Eles fabricavam, com segurança e perfeição, todos os fogos de estampido e de artifício que eram usados por ocasião das festas, em toda a Região Agreste.

Somente, há uns sessenta anos atrás foi que os bailes passaram a fazer parte da festa. O primeiro foi realizado por acaso. Segundo contam algumas pessoas daquela época, terminada uma das festas, os organizadores faziam um “apanhado” da mesma, quando passou pelo local um sanfoneiro e, então , aproveitaram para dançar. A partir desse fato, os bailes passaram a fazer parte da programação da festa.

Durante muito tempo, os bailes eram realizados, somente, depois da festa religiosa, que se encerrava com a procissão, no dia 02 de fevereiro. Tinham como local, inicialmente, o mercado, e depois, o prédio da escola, até a sua proibição nesse local pela Secretaria de Educação, na primeira metade da década de 1950, quando foi construída uma quadra descoberta para a sua realização. Construída a uns 12 metros de uma das laterais da capela, a referida quadra não contou com a aprovação do Padre Antônio Barros, vigário de São José de Mipibu, paróquia à qual pertencia a capela de Boa Saúde. Durante dois anos seguidos, o Padre Barros deixou de celebrar a missa da festa da padroeira, voltando a fazê-lo depois que a quadra foi demolida.

A construção de outra quadra, em local afastado da capela, deu origem ao “Clube 2 de Fevereiro”, contando com a participação de grande parte da comunidade, principalmente, da juventude, no final dos anos 50 e início dos anos 60, época em que a capela de Boa Saúde já pertencia à Paróquia de Serra Caiada, tendo como vigário o Padre Antônio Vilela Dantas.

A festa da beira do rio Trairi
Nos últimos trinta anos, vem ocorrendo certas mudanças na Festa de 02 de Fevereiro. Antes o programa era impresso e organizavam-se comissões que per-corriam os sítios e cidades vizinhas, divulgando o pro-grama da festa e arrecadando donativos. Havia uma participação ativa da comunidade, que se responsabilizava pela programação da festa, que, além das celebrações religiosas, constava de barraca, leilão, concurso de rainha e baile, com o objetivo de conseguir recursos para as obras da igreja, inclusive para a construção e conservação do clube. E, naquele tempo, contava-se com certas dificuldades, que não existem hoje: a bebida era comprada em Macaíba ou São José de Campestre; o gelo em barra vinha de Natal, acondicionado em saco de estopa com pó de serra; as mesas e os tamboretes eram emprestadas de outras cidades.
A festa da beira do rio Trairi
Observa-se, entretanto, que em relação à “festa de rua”, poucas mudanças ocorreram: os parques de diversões, praticamente, são os mesmos; continuam os diversos tipos de sorteios e de jogos tradicionais, como do preá e do laço; permanecem as bancas de bebidas, com “tiragostos” variados e, as de café, com várias gulozeimas, além de muitas outras, com uma infinidade de artigos. Continua, também, a vinda de grupos de prostitutas das cidades vizinhas, que se juntam num determinado local do rio e armam barracas, onde não faltam música, bebida e sexo. Uma particularidade que permanece com a denominação de “festa do rio”.

É necessário que se promova o resgate de alguns aspectos da Festa da Padroeira, que, no passado, eram muito relevantes. É de suma importância que a participação dos diversos segmentos da sociedade seja retomada, realizando atividades como barraca, leilão e festa no clube, com a renda destinada à igreja. Não é admissível que as festas particulares sejam colocadas em primeiro plano, em detrimento da Festa de Nossa Senhora da Saúde, a festa da comunidade.

Foram muitas as pessoas que fizeram parte das comissões organizadoras da Festa de 02 de Fevereiro. Lembrar de todas, uma por uma, ao longo do tempo, é impossível. Entretanto, fazemos um registro daquelas que foram lembradas por ocasião das entrevistas realizadas: José Calazans Ribeiro, Antônio Augusto de Souza, Sebastião Cleodon de Medeiros, Agenor Ferreira Xavier, Clidenor Ferreira Xavier, Otacílio Barbosa de Silva, Alexandre de Freitas, Necilda Xavier, Maria Almeida Galvão, Luíza Almeida Galvão, Aliete de Medeiros Paiva, Helena Costa, Penina Dias Vieira, Maria Bento, Manoel Ribeiro de Andrade, Maria da Salete de Lima Andrade, Maria Helena de Azevedo Barbalho, José Aldo Barbalho, José Alaí de Souza, José Aldí de Souza, Maria do Céu de Souza, Paulo de Souza, Elias Inácio, Mário Cordeiro de Oliveira, Nizardo Cleodon de Medeiros, José Ribeiro (Dedé do Correio), Antônio Urbano dos Santos, Carlos Barbosa da Silva, Célia Barbosa da Silva, Maria das Neves Barbosa da Silva, Nidarte Medeiros, Maria das Dores Alencar, Terezinha Matias e Neci Matias.
Página 95

O texto foi extraído do livro Boa Saúde: Origem e história escrito por José Alai e Maria de Deus. Algumas imagens são dos blogs que José Alai mantinha. O objetivo dessa postagem é tão somente conservar nossa história.

Postar um comentário

 
Top